NOTÍCIAS

Compartilhar:

Cindy Alvares - 16/09/2014

RM Telecom passa dos limites e Sindicato exige soluções

A RM Telecom persegue seus trabalhadores e demite por justa causa sem motivos plausíveis. Além disso, descumpre a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) e não responde às cobranças do Sindicato.


Entre os problemas que já não podem ser mais tolerados, está o comportamento abusivo da chefia que procura motivos para punir seus trabalhadores. Há casos em que a empresa força o funcionário a fazer hora extra e aplica punições, como advertências e suspensões, se ele se recusar.

 

As punições indevidas são arquivadas no prontuário do trabalhador e utilizadas como motivo para demiti-lo. "Ninguém pode ser obrigado a trabalhar além da sua jornada. Muito menos ser demitido por isso!", explica José do Paraíso, dirigente do Sintetel. 

 

Além disso, desde que a empresa começou atuar em São Paulo, nunca negociou Programa de Participação nos Resultados (PPR) com o Sintetel. Diante dos lucros conquistados pela empresa com o suor do trabalhador, o Sindicato exige o pagamento de, pelo menos, dois pisos da categoria ou dois salários nominais. Já a RM, quer pagar migalhas ao seu trabalhador.

 

O problema é nacional

Não é só em São Paulo que a RM Telecom comete irregularidades.

 

O Sintetel, junto com os sindicatos de outros estados, se reuniu com a direção da Oi e cobrou um posicionamento da operadora. Pois ela, como contratante dos serviços da RM, não pode consentir com os abusos praticados pela empresa. (Clique aqui para saber mais)

 

Os sindicatos da Bahia, do Paraná e de Santa Catarina mobilizaram seus trabalhadores durante vários dias em protesto pelo descumprimento de Acordos, Convenções e postura abusiva da chefia.

 

As greves deram resultados. O Tribunal Regional do Trabalho julgou a paralisação como favorável aos trabalhadores. Ou seja, até a justiça concorda que a empresa está passando dos limites.

 

O Sindicato está olho na empresa e recomenda a todos que souberem de qualquer abuso cometido pela RM que denuncie ao Sintetel.

NOTÍCIAS POR EMPRESA